Valeta, teatral e singela: roteiro para desbravar Malta em 7 dias

  • Sleeping Lady: arte de outrora
  • Café Cordina
  • Sacra Infermeria
  • Este canhão está no Palace’s Armory (você vista junto com o State Rooms)

Dia 2 – Valeta, entre a exuberância e a simplicidade

Nota importantíssima para quem for usar esse roteiro: não se deixe enganar pela paisagem de Valeta! Ao longe, ela parece ser uma cidade sóbria, com paredes amareladas e uma lógica de ruas largas.

É tudo fachada! A cidade é cheia de interiores enlouquecidamente exagerados e teatrais. Essa é a graça do barroco maltês. Você entra em um palacete, em uma igreja e descobre um teatro, um mundo.

PJoseph Calleja é um tenor maltês, e aqui ele canta Nessun Dorma.
Para você entrar no clima teatral.

Minha intenção para este dia é separar os meus pontos preferidos nesse tema teatral versus singeleza. Contar um pouco sobre cada um deles e tentar te ajudar a chegar na cidade com um olhar treinado para descobri-los.

Vale lembrar que você pode juntar os dois dias de Valeta em um só! Se você ainda não viu o primeiro dia do roteiro, aqui está ele!

Pode também manter como dois dias separados ou misturar tudo. Fica a seu critério!
Boa sorte para a gente!

Exibir mapa ampliado

A) Casa Rocca Piccola – essa é atração preferida do meu querido amigo e companheiro de viagem, Victor Villon. Infelizmente, não consegui visitá-la. Mesmo assim deixo como dica. Esse elegante palacete do século XVI é residência do atual Marquês de Piro e sua família. Não é um museu, mas o marquês abre uma parte da sua casa ao público interessado em saber um pouco mais sobre o passado do palacete e o da cidade.

Horário: Segunda à Sábado: 10h 16h (fecha aos Domingos)
Preço:9 euros
Visitas guiadas são necessária e duram 1h (somente em inglês)
Tour Champanhe: adorei esse tour! Ele acontece às 19h, frequentemente oferecido pelo próprio Marquês. E você pergunta: podia ser melhor? Respondo: sim! Você recebe sua taça de champanhe para degustar enquanto acompanha o percurso. Preço 25 euros. Certamente, estarei inscrita na próxima vista ao país!

B) Palácio do Grão-Mestre – é a atual residência oficial do presidente, mas um dia já serviu como residência dos grão-mestres da Ordem, e estes foram modificando o palácio aos poucos. A princípio o arquiteto responsável foi Gerolamo Cassar. O mesmo da Co-Catedral de São João e um dos maiores responsáveis pela veia maneirista e barroca da arquitetura da cidade.

Horário: segunda a sexta (fecha às quintas) – 10h às 16h / sábado e domingo – 9h às 17h
Preço: 10 euros (em 2013)

C) Café Cordina – nada melhor do que uma parada para repor as forças. Este café é o equivalente da nossa Confeitaria Colombo ou da parisiense, Angelina. Bom, como o país tem proporções diminutas, deve-se colocar essa afirmação também em escala. Você pode se sentar na parte de dentro da cafeteria, mas saiba que existe uma área externa onde também se pode ficar.

D) Co-Catedral de São João – certamente é a igreja mais importante de Malta. Entre um chão todo de túmulos feitos de mármores; as laterais com detalhes elaborados em marchetaria (feitos no local) ou os brocardos de ouro, e ainda, um teto ricamente pintado, nós, que estamos ali só de passagem, ficamos quase tontos. Esse é o teatro do barroco. Não se engane pela fachada austera da catedral, aí está uma grande obra de arte, que contou com a participação de vários artistas, de várias nacionalidades. Inclusive, aí você pode encontrar duas pinturas feitas por Caravaggio, em seu período de estadia na ilha.

Horário: segunda a sexta (fecha aos Domingos) – 9h30 às 16h/ sábado – 9h30 às 12h
Preço: 6 euros (em 2013)
Audioguia: gratuito

E) Museu Nacional de Arqueologia (National Museum of Archaeology) – esse museu pode parecer um tanto quanto amador em um olhar mal acostumado, mas existem peças importantes nesse pequeno museu, incluindo uma maquete do Hal Saflieni Hypogeum. Para mim, a maior graça é uma das menores e mais fascinantes peças do período pré-histórico maltês e uma das mais lindas desse período como um todo: a Sleeping Lady (mulher que dorme). A forma é de uma mulher corpulenta, com umas coxas enormes, dormindo de lado sob uma espécie de sofá.

Ela foi achada no Hal Saflieni Hypogeum, santuário do período pré-histórico (falarei dele mais tarde) e logo virou o centro de um debate enorme sobre a possibilidade de uma civilização matriarcal e/ou se representaria o “sono eterno”. Para muito além dos debates, o que a torna única é o nível de detalhe e sofisticação. É comovente pensar que alguém em 3.000 a.C. (pense que os gregos tiveram seu ápice em 5 a.C.) alguém criou essa imagem. Eu arrepio!

Horário: Segunda a Domingo – 8h às 18h15
Preço: 5 euros (em 2013)

F) Centro para Criatividade Cavaleiro St James (St James Cavalier Centre for Creativity) – originalmente funcionou como fortaleza para os cavaleiros da Ordem de São João, hoje, depois do projeto do arquiteto Richard England, este sítio histórico se tornou um centro cultural de qualidade. A entrada é gratuita e é possível encontrar ali desde shows de música moderna até concertos clássicos; cinema; literatura e atividades para crianças. Em resumo: vale a pena!

Horário: Inverno
Segunda à Terça: 9h – 17h
Quartas à Sexta: 9h – 21h
Sábado e Domingo: 10h -21h
Verão ( 09 Julho -13 Setembro)
Segunda à Sexta: 9h – 13h Sábado e Domingo: 10h -13h
Preço: gratuito

G)Museu Nacional de Belas Artes (National Museum of Fine Arts) – este museu está instalado em um antigo palácio barroco (foi residência de um almirante da frota mediterrânea britânica até o início do século XX!). É pequeno, mas interessante. Diríamos com uma atmosfera civilizatória e clássica. Não deixe de ver os quadros de Mattia Preti (pintor italiano de afrescos no barroco que também trabalhou na co-catedral). É a maior coleção do pintor exposta em museu aberto ao público.

Horário: Segunda a Domingo – 9h às 16h30
Preço: 5 euros (em 2013)

6 comentários

  1. Gente,
    Eu fiz uma bobagem e exclui um comentário. Então, copio ele aqui entre aspas.

    Raphaella, sabe me dizer se Malta é um bom lugar para um intercâmbio de 4 semanas?
    Estou pesquisando alguns locais e achei a ilha interessante. Será que consigo visitar outros países durante a estadia?

    Obrigado!
    Ah…ótimos textos, parabéns! Muito bem escritos.

    Atenciosamente,
    Ranielli Christanelli

    1. Ranielli,
      Em 4 semanas, mesmo estudando, acho que vai conseguir conhecer bastante coisa. O inglês lá tem um acento italiano, diria. Veja se você gosta, pesquise um bom curso, pois acredito que isto é o que fará valer a pena.
      Um abraço.

  2. Rodolfo disse:

    Muito boas as dicas!
    Haverá continuação até o 7º dia mesmo?? rsrs

    obrigado!

    1. Rodolfo,
      Obrigada pelo elogio. E você tem razão, estou demorando para terminar o roteiro. No entanto, não se preocupe, sou como a Justiça, tardo, mas não falho. Você está indo para Malta?
      abs.

    2. Rodolfo disse:

      Oi Raphaella, vou para Malta em setembro.
      Aguardo ansiosamente a continuação….rsrs

    3. Rodolfo,
      Estou voltando de viagem em junho e prometo para você que antes do final desse mês estará no ar. 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *