Passeio a Pé pela Nouvelle Athènes: o bairro romântico de Paris

  • blogger-image-1154443568
  • museu insólito em paris
    Veja o retrato de George Sand ao fundo
  • Dionisio dando boas-vindas
    Dionisio dando boas-vindas
  • Place Saint Georges com suas mansões
    Place Saint Georges com suas mansões
  • Paris nouvelle athenes sand

Muitos guias sobre Paris falam sobre o Marais ou sobre Saint Germain, mas quase nenhum conta sobre este pequeno e charmoso bairro conhecido como Nouvelle Athènes (Nova Atenas). No 9 arrodissement, este lugar nos conta sobre intelectuais e artistas (Chopin, Delacroix, George Sand etc.) que passaram pela cidade no século XIX marcando sua história de maneira única e memorável.

Eu descobri esse lugar graças a meu amigo Victor Villon. Um apaixonado pela cultura francesa e pela história de Paris. Ele me disse: se está procurando algo interessante sobre a cidade por que não fala sobre a Nouevelle Athènes? E lá fomos nós descobrir o bairro. Fizemos uma caminhada a pé oferecida pelo Museu da Vida Romântica – disponível apenas em francês. Uma pena! Contudo, anime-se! Você pode facilmente andar pelas ruas do bairro e descobri-lo por conta própria. Eu te ajudo!

Percurso a pé!

Vá sabendo!

Nouvelle Athénes é um passeio para se fazer durante uma manhã, a pé e sem pressa. É um bairro ainda com ares de calmaria, fora do circuito turístico básico e um programa perfeito para os amantes das artes e de literatura francesa, mas também para aqueles que gostam de arquitetura e de caçar vestígios do passado.

Ali você encontrará muitas mansões do século XVIII e do XIX, em estilo neoclássico, construídas durante a Restauração (período pós-Napoleão. Reinado de Luís XVIII e Carlos X). Na época, este bairro era bucólico e sossegado. Um arrabalde da cidade de Paris, à beira de Montmartre.

Durante o período do romantismo francês a região começou a despontar como endereço de artistas e intelectuais em busca de paz (e de taxas menores). Logo, a região ficou conhecida como a Nova Atenas. Uma espécie de pequena república das artes em Paris. Vamos começar a caminhada?

Caminhada (tempo: +/- 50 minutos)

1) Rue des Martyrs – ande por esta rua para começar a entrar no clima do passeio. Ela está cheia de referências gastronômicas. Você pode deixar para beliscar aqui no final da caminhada. Recomendo: Rose Bakery; Terra Corsa e Henry le Roux.

2) 9 Rue Navarin – chegamos ao centro do bairro. Este edifício curioso foi construído no estilo gótico e funcionou com prostíbulo até 1946 quando foi interditado.

3) 26 e 28 da Place Saint Georges – são duas mansões (hôtels particuliers) de arquitetura ostentosa. O número 28 ficou conhecido como hôtel de la Marquise Païva. A marquesa na realidade foi uma cortesã (nascida em Moscou), que fez história com seus salões e sua enorme coleção de diamantes. Foi uma figura tão interessante que merecia um post só para ela. 😉

4) Igreja Notre Dame de Lorette – essa igreja foi construída em estilo neoclássico, bem à moda do século XIX. O mais interessante é saber que “Lorette” era um dos codinomes usados para prostitutas e, não por acaso, existiam muitas nessa região.

5) 80 Rue Taitbout – ignore seus receios, e sai entrando nesse pequeno pátio interno. Aqui fica o Square de Orléans, onde Chopin e George Sand moraram em apartamentos separados, mas um frente ao outro. Existe uma placa anunciando que o músico viveu ali bem na entrada do prédio.

6) Rue d’Amule – uma das ruas mais bonitas do bairro. Repare nos detalhes dos edifícios feitos em pedra, todos homogêneos na estrutura, mas com detalhes os diferenciando um por um.

7) 58 Rue Notre Dame de Lorette – o pintor Eugène Delacroix viveu aqui durante 13 anos (1844-157).

8) Esquina da Rue Pierre Fontaine com a Rue Chaptal – esse prédio de esquina (tem uma loja de vinhos Nicolas no térreo) tem um grande Dionisio (equivalente a Baco) esculpido na sua fachada. Eu achei ele tão inusitado, nos dando boas-vindas a este lado mais artístico da Nova Atenas. Tão irônico, tão perfeito, não acham?

9) Museu da Vida Romântica – a casa é linda! Tem um jardim e uma pequena casa de chá delicada. Esse museu foi residência do pintor  Ary Scheffer. Este não foi o mais marcante dos artistas, mas ficou conhecido como “o” anfitrião dos artistas mais importantes do período romântico francês. Hoje você encontra ali memorabilia de artistas como a escritora George Sand, além das obras de Scheffer e de alguns contemporâneos. É um museu para quem gosta de mergulhar fundo na cultura francesa. Um tanto quanto insólito, mas se esta não for a sua “praia”, aproveite o jardim e o exterior da casa. Vale!

———————————

Gostou da sugestão de caminhada? Se você quiser tentar algo mais personalizado, que tal pensar em um roteiro feito sob medida pelo Raphinadas para sua próxima viagem para Paris? Pode entrar em contato comigo por aqui, e a gente começar a planejar junto. 

Um comentário

  1. Eduardo Chacon disse:

    Olá, Raphaella
    Adorei o post! Morei em Paris por quatro meses em 2012 e o Museu da vida romântica se tornou um dos meu lugares favoritos, daqueles que vêm à memória espontaneamente de vez em quando, trazendo uma saudade imensa e uma enorme vontade de que Paris ficasse mais perto aqui do Rio só para eu poder dar um pulinho… rs!
    Não lembro bem o porquê (já que me estilo é o de caminhar por tudo e descobrir cantinhos inusitados), não cheguei a explorar o bairro… O seu post veio alimentar ainda mais a vontade de retornar para explorar tudo direitinho… Muito bom!
    Abraços

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *