Macarons no Rio: no meio do caos, o “Paradis”

  • Para quem está com uma síndrome de abstinência chamada Paris.
  • Av. Nossa Senhora de Copacabana. Foto tirada da porta do Paradis.

Imagine que você está deprimida, em crise existencial, se sentindo fora do seu tempo e do seu lugar. Trabalhou o dia todo, mas antes de voltar para casa, teve que fazer uma visita ao médico, ou algo do tipo, em Copacabana.

Passou o dia sentindo um misto de lamento e culpa por não ter conseguido juntar seus trocados para uma sonhada viagem a Paris, lugar onde acredita que tudo é e sempre será cor-de-rosa. Là-bas, tudo fala sobre nostalgia e elegância. Você vaticina: deveria estar em Paris.

Diagnóstico: melancolia bourgeois decadante.

Mas, não se sinta mal, Paradis chegou ao Rio e vai aliviar suas angústias e desejos mais indecorosos. Afinal de contas quem não tem França, caça em Copacabana mesmo.

Paradis: Délices Français” é comandada pelo chef Pierre Cornet-Vernet, que já foi responsável pela cozinha da Maison Dior o Les Jardins D’Epicure. Sua proposta é dar alma brasileira aos sabores e técnicas francesas. Uma receita de sucesso que agrada muito aos anseios do público BCBG do Rio. A loja/café é bem pequena e incrustada no meio das ruas Dias da Rocha e Raimundo Correia. De tão discreta, é provável que não a enxergue se passar muito rápido. Uma vez lá dentro, no entanto, prepare-se para um breve momento aristocrata decadente em plena Copacubana, como minha mãe costuma dizer.

É possível pegar um saquinho e selecionar macarons (3 reais a unidade), trufas (3,60 reais), línguas de gatos, entre outros, além dos famosos Picoluxos (7 reais). Tudo para viagem.

Porém, já que está ali, aconselho a aproveitar. Sente em uma das mesas ou no sofá – meu lugar preferido – para degustar algo, seja um Nespresso (4,50 reais), seja um capuccino/café gourmand (combinações de 10,80 até 19 reais) ou mesmo uma Chandon-baby gourmand (49 reais, para dois, com 4 macarons + 4 trufas). Super luxo!

Um dos pontos altos da experiência acontecerá quando descobrir que o chocolate usado é o famoso Valrhona, o mesmo usado por Bocuse e Ducase. Chic, não? Nesse momento tudo ficará cor-de-rosa. A Françoise Hardy cantando como trilha sonora ao fundo, e você até se pegará ponderando sobre a beleza dos edifícios art nouveau de Copacabana.

Para entrar no clima!

A partir da minha experiência:

Sobre os macarons, visualmente não vá esperando a perfeição de um Ladurée, um Pierre Hermé ou mesmo daqueles maravilhosos do Le Pré Catelan – este último lembrança do amigo e chef Bruno Moreira Leite. Em termos de paladar, no entanto, estavam bem saborosos. Mais do que isso só posso dizer que a presença de uma torre Eiffel de chocolate acabou me fazendo esquecer do assunto macarons.

Uma dica é reparar na variedade de sabores. Por causa da pegada carioca, a gente encontra desde o sabor “beijinho de coco” até o de abacaxi com hortelã, codinome: “Zé Carioca”. Também achei genial os picolés de macaron, realmente um Picoluxo!

A experiência como um todo foi muito válida. Voltaria certamente para um repeteco. ambientea música, as caixinhas talhadas em madeira com cenários tropicais, tudo estava adoravelmente decadente

Pontos para a água frisante. Ela tem um teor menor de gás do que o de uma água com gás normal: para não prejudicar o sabor do chocolate, assim me explicaram. Gostei muito de perceber que o lugar se preocupa com esse tipo de detalhe. O Rio realmente está precisando de um pouco mais de perfeccionismo na área de prestação de serviço.  Os atendentes foram maravilhosos. Fiquei umas duas horas lá e pude perceber o cuidado e a delicadeza com que eles explicavam sobre a loja a cada novo cliente. Além disso, só posso dizer que realmente foi uma pena descobrir que não tinha banheiros no local. Só uma pia chic para lavar as mãos. Outro ponto contra foi o ar-condicionado super potente.

Saldo final 35 reais (2013). Nós pedimos:

– dois cafés – Nespresso;
– um capuccino gourmand (2 macarons e 2 trufas);
– uma água frisante.

Melhor do que pedir ajuda aos barbitúricos para lidar com desejo de estar em Paris.

Ponto alto: a gentileza no atendimento e o Picoluxo (picolé de macaron)
Ponto baixo: não ter banheiro e não ter conseguido provar o “Chocolate Paradis, bebida gelada”.
Categoria pessoal: momento decadance avec elegance
Recomendação: leve um casaquinho, vá antes das 19h30 e com espírito perdulário

Paradis
Local: Av. Nossa Senhora de Copacabana 776 b
Horário: Segunda a Sábado, 10h às 19h30
Tel: 55-21-2255-7654

10 comentários

  1. Cecilia,
    Será um prazer enorme te ajudar! Quem sabe você não terei ideias para novos posts? Agora, como falo contigo. Eu só consigo ver os e-mails de quem me segue. Bom, vc pode me procurar no facebook e a gente vai se falando.
    Super abraço.

  2. Cecilia B disse:

    Oi Raphaella!Prazer em conhecê-la através do Conexão Paris, o qual gosto muito. Adorei seu texto! Já tinha ouvido falar sobre o Paradis, mas depois do seu “parecer” fiquei com mais vontade ainda. Gostaria de saber se você poderia me ajudar c/ algumas dicas, pois viajarei p/ Europa no 2° semestre. Agradecida!

  3. Raquel,
    O Salada Grega tb está nas minhas!
    Dani,
    Eles tem variações de Nespresso o que melhora, acho. Mas tem razão, um expresso ia dar mais dignidade. rs
    Kinha,
    Certamente, passarei para conferir seu blog. Te respondo por lá mesmo, viu.
    Pode ser para Dois,
    Não sabia que morava em Minas. Que interessante! Vem aqui conhecer o Paradis. Fui a Tiradentes outro ano, e tinha vários restaurantes ótimos! Pequena que ainda não existia o Passando a Viagem.

  4. KINHA disse:

    Olá Raphaella

    Adorei seu blog e já estou te seguindo. Vou aguardar a sua visita e ficarei feliz se me seguir também.
    Uma ótima 5º feira à vc…………..

    BJ000000000……………….
    http://www.amigadamoda1.com

  5. hahaha! AMEI o texto!

    aqui em minas não tem nada parecido, mas entendi o conceito desse luxo decadente.

    ótimo texto, parabéns!

    um beijo,
    priscila ferreira.

  6. Raquel M.B.G. disse:

    Gente, que lugar é esse! Quero muito conhecer…Ah e coloquei seu blog lá nas minhas leituras diárias. Obs. Adorei o BCBG, rsrsrs, abraços

  7. Dani Bispo disse:

    Uauuuuuuu tenho que ir tenho que ir! Só inquérito desanimou foi o nespresso

  8. Ótima ideia! Pode deixar! Com relação a localização, vai ser uma prova de fogo. Mas como a fábrica da loja fica perto, acho que eles acharam que isso era uma vantagem. Ou talvez, tenha sido proposital para contribuir com o espírito de revitalização do bairro. Será?

  9. Anonymous disse:

    Querida,
    eu estive lá um dia após a inauguração!!!!! Foi entre o Natal e reveillon, se não me engano!! Achei os preços salgados, não pela qualidade dos produtos, que é ótima, mas pela localização. Não sei se vinga em Copa, pois quase fica despercebida em meio a caótica Nossa Senhora de Copacabana. Merecia um endereço mais glamuroso para ganhar destaque! Ganhamos no Rio, várias franquias da Katz petropolitana. Agora também temos acesso à torrada de Petrópolis, e a iguarias como bolos deliciosos! Vale um artigo seu!!!!! Vou ficar esperando. Sucesso e beijos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *