Lisboa na Mesa: Leopold, uma cozinha “com bossa” na Mouraria

  • Gastronomia arrebatadora!
  • Carne com algas, manteiga e molho de soja
  • Legumes da Terra
  • Ovo perfeito com cogumelos
  • Barriga de Porco curado com pães
  • Doce de banana com queijo
  • Café e o petit fours: "mulato chila"

English version in the end of this post.

Por Bruno Moreira-Leite e Raphaella Perlingeiro

No coração da Moraria, uma região que está redescobrindo sua identidade, você encontrará a cozinha de Thiago Feio. Junto com sua esposa, Ana Sofia Cachaço, eles trabalham em uma dança harmônica em prol do que existe de mais único e revigorante na gastronomia da cidade. Esse é definitivamente um restaurante para aqueles que buscam uma experiência arrebatadora.

Ao chegarmos no Leopold – restaurante localizado no histórico bairro Mouraria e onde antes funcionava uma antiga padaria–, a decoração nos chamou a atenção de imediato: por detrás da vitrine, um pequeno e charmoso espaço que conserva ainda parte do mobiliário original. A iluminação, difusa e aconchegante, e mais alguns poucos objetos compõe o ambiente minimalista do local.

Fomos recebidos na porta pelo chef Thiago Feio e sua esposa, Ana Sofia Cachaço, em um clima despojado e amigável. A informalidade do local sugere uma clara dinâmica entre a cozinha, o serviço e os comensais. A troca é inevitável! Digamos que é quase como estar numa festa onde não conhecemos bem os demais convidados. Porém, quando mal nos damos conta, já fomos absorvidos pela atmosfera, interagindo com todos, nos sentindo em local familiar.

A cozinha do Thiago é cheia de deliciosas surpresas, clara nos sabores e idílica na forma com que ele dispõe os elementos no prato. Por outro lado, o serviço executado pela Ana Sofia é cordial e atento ao mesmo tempo. O menu servido foi uma incursão por variadas técnicas de preparo, métodos de conservação e texturas.

E o que dizer da experiência? Para o Bruno, é como um filme do “David Lynch”; Algo para ser digerido e decifrado com o tempo, uma degustação que requer retornos para uma melhor compreensão do todo da obra. Para a Raphaella, existe um encanto meio “Bossa Nova”, talvez dado pelo ar intimista e a música ambiente suave, talvez pela sua simplicidade que é ao mesmo tempo sofisticada e moderna.

Rebatendo a dura crítica recebida pelo restaurante de que era apenas para os foodies, podemos afirmar que o Leopold é mais do que isso… é um uma verdadeira viagem voltada àqueles que gostam de uma cozinha feminina – definida assim pelo próprio cozinheiro – e, apesar da aparentemente timidez do Thiago, de muita, mas muita personalidade.

A Experiência

Legumes da Terra

O primeiro prato encantou pela sutileza. Os legumes, em diferentes texturas, foram delicadamente arranjados sobre a louça de faiança portuguesa, parecendo compor uma paisagem. Para completar algumas gotas de missô branco e uma terra comestível de alfarroba. Tivemos a impressão de estarmos diante de uma brincadeira, visto que os legumes deveriam ser “desenterrados” e comido com as mãos.

Barriga de Porco Curada com Pães

Esse prato foi o ponto baixo em nossa opinião. Apesar do Bruno adorar bacon “cru”, ele achou que faltava um algo mais. Um prato bastante simples, sem o mesmo requinte dos demais.

Ovo Perfeito com Cogumelos

Na sequência, um ovo perfeito – cozido a exatos 63,5°C – com cogumelos, azeite aromatizado, algumas folhas de tomilho e sementes de trigo sarraceno tostado. O ovo possuía uma cremosidade singular e harmonizava perfeitamente com os demais sabores do pratos.

Bacalhau com Broa

O bacalhau, com um ponto perfeito de cocção, se desfazendo em lascas ainda ligeiramente translúcidas, era salpicado por umas migalhas crocantes de broa de milho, grelos ainda firmes, um toque de clorofila e missô.

Carne com Algas, Manteiga e Molho de Soja

A carne de novilho açoriano, ligeiramente queimada no maçarico, veio fatiada e guarnecida com alga dulse, manteiga de ovelha de azeitão e um gel de shoyu. Em quase todos pratos pudemos perceber que o chef valoriza a clareza de sabores e explora o mundo do umami – o quinto gosto básico japonês – para poder brincar com suas receitas, de uma leveza inigualável, porém, sem nada a perder em termos de sabor.

Doce de Banana com Queijo

A sobremesa foi mais uma grata surpresa e nos remeteu aos sabores da nossa terra natal. Uma combinação inteligente de doce de banana com lascas finas de queijo da Ilha de São Jorge, arrematada por uma farofa de broa de mel da Madeira. Seria uma homenagem aos ingredientes das famosas ilhas portuguesas? Depois viemos a descobrir que, na verdade, se tratava de uma lembrança da sua infância no Brasil e aí ficou claro para nós o porquê desse “déjà vu”.

Café e “Petit Fours

Com o café veio um dos acompanhamentos mais inusitados que já nos foram servidos: trata-se do “mulato de chila”, um enchido doce e defumado a base de carne de porco bísara, pão de trigo, abóbora chila, mel, amêndoas, canela e sal. Depois de cozido, ele foi moldado para se parecer com uma bala de caramelo toffee, sendo ainda acompanhado de alguns figos secos enfarinhados. É difícil de acreditar e descrever, mas esse acompanhamento caiu muito bem com o cálice de vinho do porto, arrematando o final de uma refeição esplêndida em todos os aspectos.

Ponto Alto: A experiência como um todo. Impossível escolher um prato só.
Ponto Baixo: a localização, mas só para aqueles que ainda não estão muito familiarizados toponímia lisboeta, porém, vale ressaltar que há um estacionamento disponível ao lado do restaurante. Nossa sugestão, por razões práticas, é ir de taxi.
Curiosidade: o chef realiza uma verdadeira performance ao cozinhar num espaço exíguo sem fogo, nem exaustão. Em breve, eles passarão a servir um menu degustação a preços bem atraentes.

Leopold

Endereço: Rua São Cristóvão, 27
Lisboa, Portugal
Telefone: 351 21 886 1697
Horário: Quarta a Domingo de 19h-23h
Reservas: geral.leopold@gmail.com
Preço: +/- 35 euros (com vinho)

Esta experiência foi apoiada pelo restaurante Leopold em Lisboa.

——–

Lisbon is Served: Leopold, a Kitchen full of “Bossa” in the Mouraria.

By Bruno Moreira-Leite and Raphaella Perlingeiro

In the heart of the Moraria, a region that is rediscovering its identity, you’ll find Thiago Feio’s kitchen. Together with his wife, Ana Sofia Cachaço, they work in a harmonious dance for what is most unique and invigorating in the gastronomy of the city. This is definitely a restaurant for those seeking a breathtaking experience.

When we arrived at the Leopold – a restaurant located in the historic area called Mouraria and where once existed an old bakery-, the decor caught our attention right away: behind the front window, a small and charming space that still retains part of the original furniture. The lighting, fuzzy and cozy, and a few more objects compose the minimalist ambience of the place.

We were greeted at the door by the chef Thiago Feio and his wife, Ana Sofia Cachaço, in a most unpretentious and friendly way. The informality of the place suggests a clear dynamic between the kitchen, the service and diners. The exchange is inevitable! Let’s say it’s almost like being at a party where you don’t know the other guests that well, but, when you realize, the atmosphere has already absorbed you and you’ll see yourself mingling with everyone and feeling in a familiar place.

The kitchen of Thiago is full of delightful surprises, clear in its flavors and idyllic in the way he displays the elements in his dishes. On the other hand, the service performed by Ana Sofia is friendly and attentive. The menu served was an incursion in various preparation techniques, conservation methods and textures.

And what about the experience? For Bruno, it was like a “David Lynch” movie; Something to be digested and cracked over time, a tasting that requires returning for a better understanding of all the work. For Raphaella, there was a kind of “Bossa Nova” charm, perhaps given by the intimate environment and the soft background music, or perhaps for its simplicity that is both sophisticated and modern at the same time.

Contrary to the harsh criticism received by the restaurant that it was only for the foodies, we can say that Leopold is more than that … it’s a real trip for to those who like a womanly cuisine – so defined by the chef himself – and, despite the apparently shy temper of Thiago, with a lot, but a lot of personality.

The Experience

Vegetables of the Land

The first course delighted us by its subtlety. The vegetables, in different textures, were delicately arranged on the dishes of Portuguese faience, as if composing a landscape. To complete, a few drops of miso and edible ground carob. We had the impression of being in front of a practical joke, since the vegetables should be “unearthed” and eaten with our hands.

Cured Pork Belly with Breads

This dish was the low point in our opinion. Despite Bruno’s affection for raw bacon, he thought the recipe lacked something. A very simple dish, without the same refinement of the others.

Perfect Egg with Mushrooms

Following, we had a perfect egg – cooked to exactly 63.5 ° C – with mushrooms, flavored olive oil, some thyme leaves and roasted buckwheat seeds. The egg had a unique creaminess and harmonized perfectly with the other flavors of the dish.

Cod with Corn Bread

The Cod, with a perfect point of cooking, crumbling in still slightly translucent chips, was dotted with crispy crumbs of corn bread, sided by greens still firm and finished a touch of chlorophyll and miso.

Meat with Seaweed, Butter and Soy Sauce

The meat of Azorean calf, slightly burnt on the torch, came sliced and garnished with dulse seaweed, azeitão sheep butter and shoyu gel. In almost all dishes we realized that the chef enhances the flavors and explores the world of umami – the fifth basic Japanese taste – enabling him to play with his recipes with an unbeatable lightness, but loosing nothing in terms of taste.

Banana Sweet with Cheese

The dessert was another pleasant surprise and appealed to the flavors of our homeland. A clever combination of banana sweet with thin slivers of cheese from the island of São Jorge, finished with a Madeira honey bread farofa. Would it be a tribute to the ingredients of the famous Portuguese islands? Then we found out that actually it was a reminder of his childhood in Brazil and then it became clear to us why we had this sensation of “déjà vu“.

Coffee and “Petit Fours

With the coffee came one of the most unusual side dishes we’ve ever been served: it is the “mulato de chila”, a sweet and smoked stuffed containing bísara pork meat, wheat bread, pumpkin squash, honey, almonds, cinnamon and salt. Once cooked, it was molded to resemble a caramel toffee and it was sided by some floured dry figs. It is hard to believe and describe, but this dish went nicely with the glass of Porto wine, closing a splendid meal in all aspects.

High: The experience as a whole. It is impossible to choose only one dish.
Low: The location, but only for those who are still not very familiarized with Lisbon. However, it is noteworthy that there is a parking available next to the restaurant. Our suggestion, for practical reasons, is to go by taxi.
Interesting: The chef makes a real performance by cooking in a confined space without fire or exhaustion. Soon, they will start serving a tasting menu with very attractive prices.

Leopold

Address: Rua São Cristóvão, 27
Lisbon, Portugal
Phone: 351 21 886 1697
Hours: Wednesday to Sunday from 19h-23h
Reservations: geral.leopold@gmail.com
Price: +/- 35 euros (with wine)

2 comentários

  1. Sergio Rebelo disse:

    Excelente post sobre o Leopold. Tambem adorámos!

    1. Raphinadas disse:

      É uma experiência inesquecível mesmo.;)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *