8 Atrações para se Apaixonar por Kyoto

  • Templo Fushimi-Inari
    Templo Fushimi-Inari
  • Templo Kiyomizu Dera
    Templo Kiyomizu Dera
  • Templo Kiyomizu Dera
    Templo Kiyomizu Dera
  • Kinkakuji
    Kinkakuji
  • Ginkakuji
    Ginkakuji
  • Ginkakuji - jardim
    Ginkakuji - jardim
  • Nishiki Market
    Nishiki Market
  • Gion
    Gion
  • Toei Movie City
    Toei Movie City

Ponto alto: Daisenin subtemple (mas isso é muito pessoal)
Ponto baixo: contar com o metrô para se deslocar
Categoria pessoal:lugares para se maravilhar

Para entrar no clima:Alone in Kyoto – Air

Se Tóquio é como São Paulo, Kyoto é como o Rio.

Essa foi uma comparação que nós fizemos durante a viagem, talvez não seja a melhor possível, mas o objetivo é dar uma amostra de como experimentamos o lugar, certo? 

Kyoto tem cara de antiga e tradicional. Foram três horas em um shinkansen (trem bala) e chegamos em outro tempo. Estávamos longe de Tokyo, a agitação tinha ficado por lá (não totalmente), mas agora tudo estava mais calmo, mais relaxado

Deslocamentos

O paralelismo com Rio/São Paulo continua se pensarmos em transportes. Em Kyoto, tudo é mais centrado nos ônibus, e o metrô não cobre toda a cidade (vai dizer que não lembra o Rio?). Na verdade, o sistema de transporte público é bem complicado, variando entre metrô, ônibus e um tipo de tram (uma espécie de bonde).

Meu conselho é desencanar e apelar para os táxis, que não dependem de horários e deixam seus passageiros onde for necessário, poupando tempo e sola de sapato. O que se pode fazer para reduzir os custos é pegar uma condução pública para certos pontos e, entre as atrações que não forem servidas por metrô, pegar táxis. Mas já te aviso, o metrô lá é complexo. Vai de coração aberto para se perder etc.

1) Templo Fushimi-Inari – Pode ser um pouco complicado para chegar e estar fora o roteiro básico de Kyoto, mas vale MUITO a pena. É um complexo de santuários embrenhados na montanha ligados por caminhos de “Tori” vermelhos (aqueles portais típicos). Ao todo, são cerca de 4 km de portais enfileirados. É muito impactante.

2) Templo Kiyomizu Dera – Fica no topo de um monte e tem uma vista muito bonita da cidade. Acredita-se que a água da fonte do templo é sagrada. A estrutura de madeira que sustenta o templo é um impressionante feito de engenharia. Saindo do templo, dá para descer por rua com lojas de lembranças e doces típicos.

3) Gion – É o antigo bairro das gueixas. Hoje, há lojas e restaurantes, mas o interessante é a preservação da arquitetura da cidade. As casas são antigas e parecem tão delicadas. É inevitável pensar sobre como elas se mantiveram ali por todo esse tempo.

4) Nishiki Market – É um mercado coberto que engloba várias ruas. Só ver já é interessante. Eu não sei como explicar, mas a gente viu tanta comida, tanta coisa diferente do nosso costume. É viciante! Dá vontade de experimentar tudo 😉

5) Nijo-jo – O pequeno castelo não é exatamente uma fortificação, mas foi o local onde o último Shogun Tokugawa assinou a rendição do poder governamental para o Imperador Meiji no fim do séc. XIX. O famoso piso rouxinol (ou piso “anti-ninjas”) e painéis de arte local são as maiores relíquias do lugar.

6) Toei Movie City (saindo do comum) – Para quem tem pouco tempo, e está indo pela primeira vez, pode não ser lá a melhor opção. É um parque do tipo “MGM”. O interessante é que há uma cidade feudal cenográfica, que permite ter uma impressão de como deveria ser o Japão na Era Edo 

7) Kinkakuji (Templo dourado) e Ginkakuji (Templo de prata)- São pequenas construções (uma dourada e outra branca) rodeadas pelos jardins mais sedutores que já vi. O japonês tem uma relação com a natureza muito diferente do ocidental, e esses jardins são um retrato disso. O jardim ali serve para contar uma história, não para mostrar o controle do homem sobre a natureza. Aqui é o homem contando algo através da natureza. Sobre os templos, a história é que foram construídos por pai e filho, sendo que o Ginkakuji acabou não recebendo o revestimento de prata por conta do estouro de uma guerra, que acabou consumindo a prata destinada ao templo.

8) Daitokuji Temple (Daisenin subtemple) – O complexo de templos Daitokuji é grande, mas o Daisenin é pequeno e escondido. Esse pequeno templo tem um jardim de pedra impressionante que o rodeia e simboliza o caminho da vida humana na terra e no mundo espiritual. Dizem que o Monge Takuan e o famoso Samurai Miyamoto Musashi ficaram hospedados no templo em suas viagens pelo Japão.

———————————–

E aí, gostou dessa seleção?
Então, para que sua próxima viagem seja realmente incrível, que tal investir em algo mais personalizado como um roteiro sob medida feito pelo Raphinadas? Basta entrar em contato comigo, por aqui , e a gente já pode começar a planejar! 

4 comentários

  1. Ciça Schurig disse:

    Raphaa!! Adorei todas as dicas e suas percepções, muito legal ter ficado mais em Kyoto. Estamos super animados e vamos levar conosco sua experiência! Se puder dar uma dica de bairro legal pra ficar ficaremos super gratos. Muito obrigada e parabéns pelo post!

    1. Raphinadas disse:

      Ciça,
      Seus comentários são uma alegria! Tenho certeza que vocês vão amar Kyoto. É um lugar muito especial.
      beijos
      Rapha

  2. Muito bom o post! Se Kyoto parece o Rio, qdo eu for para o Japão irei começar por lá! 😉

    1. Luciana,

      Vale passar um tempo lá. É um lugar especial e muito marcante, como Rio. risos.
      Fico feliz que tenha gostado.
      abs,
      Raphaella

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *