Playlist para Viajar de Carro pela França

  • Imersão com música, que tal?
    Imersão com música, que tal?

Uma das coisas que me agrada quando viajo é a oportunidade de imersão linguística. Ainda que por um breve momento, é muito bom descobrir uma nova língua, e com ela uma nova cultura.

No começo é um caos, não se entende nada, dá um medo. Aos poucos, contudo, você se pega fazendo pequenas associações, descobrindo o significado de palavras, entendendo algumas expressões. O playlist entra em cena por isso. É uma ótima oportunidade para, através da música, a gente desvendar a paisagem, mas com outros sentidos. 

O tema dessa playlist é a França. É uma lista montada a partir das minhas lembranças de viagem, do que escutava nas rádios ou do que me recomendavam, etc. Não tenho pretensão alguma de servir de referência de qualidade musical. A intenção é apenas compartilhar algumas músicas que podem servir como inspiração.

Sabe quando você senta no computador e começa olhar todas aquelas possibilidades para uma próxima viagem? Então, essa playlist vai para quem está numa vibe “vou fugir para a França”.

Mickaël Miro – L’horloge torne: ele é de Lyon. Essa música parece que foi a mais tocada em 2011?! Era tipo relógio de casa da tia avó que toca de 30 em 30 minutos. Bem a ver com a música. E a gente fica lá no carro, entre mil malas e garrafas de vinho, tentando decifrar cada verso. “Com quantos anos ele não quer mais acelerar o tempo?”

Les Fabulous Trabadors – Y’a des garçons: músicos da Provence, melhor de Toulouse. Cantam com influência dos trovadores occitanos e do baião nordestino!? Fala sério que isso não é genial? Nunca tinha pensado na relação entre os trovadores e o cordel brasileiro. É bom demais! Promete que vai escutar?

Melissa Nkonda – Nouveux horizons: ela participou do Nouvelle Star, é algo como o American Idol deles. Não sei se isso significa boa coisa (acho que não), mas a música é ótima. Animadinha.

Julien Doré – Kiss me Forever: adoro a dancinha! Ele é mais um do Nouvelle Star. Ganhou a quinta temporada. Também é do sul da França. Ele tocava nos bares de Nîmes e tinha um grupo chamado “Dig up Elvis”.

Joyce Jonathan – Je ne sais pas: sei que é difícil dar crédito para jovens talentos, mas o álbum dela, “Sur mes Gardes“, é todo muito bom. No caso dessa música especificamente, ela é despretensiosa e muito feminina, no melhor sentido possível – digam o que quiserem.

Kamini – Marly-Gomont: (essa é para rir um pouco) Kamini é um rapper francês que começou na Internet e fez um sucesso absurdo cantando sobre sua vida no interior rural da frança com muita ironia e humor. Um negro no interior da França, imagina o que ele não passou por aquelas bandas. A revista Time deu destaque a ele em 2006, e seu vídeo teve mais de 4 milhões de acessos.

Stromae – Alors on Dance: (música para ouvir quando nada tiver jeito) Ele é cantor de hip hop belga. Essa música foi um hit dos hits, chegou até aqui, não foi? Fico impressionada com essas coisas. O interessante dele é o sotaque dele, como no Kamini (clip aqui em cima). É bom escutar outras possibilidades da língua, e sair um pouco desse monopólio parisiense de ser e estar no mundo.

Ben Oncle – Petite Soeur: o tio Ben é de Tours, no Vale do Loire (vale conhecer #ficadica). Essa música é uma delícia, bem vintage, meio Motown. Ah! Ele tem uma versão do Seven Nation Army do White Stripe muito boa também.

Brigitte – Oh la la: o que dizer de Brigitte? Dueto de Sylvia Hoarau – ela fez parte do Vendetta – e Aurélie Saad. Tem um estilo folk-retro-chic-eletronic, entendeu? Não sei o por quê, mas adoro as poses. Toda vez que escuto fico com vontade de passar só a comprar roupa em brechó e levar uma vida cheia de filtros do instagram.

Judith – Te passe pas de moi: muito breguinha, mas a gente gosta da Judith. Fala mal dela, não. Ela foi largada, quem nunca passou por isso? (só rindo). Também é cria dos programas de TV, o Star Academy, da TF1.

Christophe Maé – Mon Paradis: ele é de Carpentras, entre a Côte D’Azur e Provence. Mon Paradis é seu primeiro álbum, e ele diz que foi inspirado na Córsega. Maé pode ficar com a ilha, eu fico com a região natal do cantor. O lugar é lindo demais. Um paraíso!

Ycare – Lap Dance: Mais um do Nouvelle Stars (Medo!). Ele um pouco deprimido, mas a gente gosta dele. Essa música era opção certa toda manhã. “Em que você pensa enquanto dança? A pergunta que não quer calar.

Collectif Métissé – Laisse tomber tes problèmes: isso é tão ruim que não tenho comentários construtivos. Por outro lado, essa música tocava muito durante a viagem e virou uma espécie de mote para as nossas situações estressantes. Está irritado? Laisse tomber tes problèmes (deixa seus problemas para lá).

Mozart Opera Rock – C’est bientôt la fin: é um musical francês produzido por Olivier Dahan. Categoria: Maravilhosamente brega.)

C’est vraiment bientôt la fin! Bisous.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *