Aulas de Culinária em Paris: kit-salvação

  • Le Cordon Bleu em Paris
    Resultado da primeira aula no Le Cordon Bleu!
  • Professor mais querido da cidade: chef Daniel Walter
    Professor mais querido da cidade: chef Daniel Walter
  • Éclair: eu fiz mesmo isso?
    Éclair: eu fiz mesmo isso?

Você já pensou em fazer um curso de culinária durante uma viagem? Desejou, mas não teve coragem? Achou caro ou ficou com medo de não conseguir acompanhar o ritmo? Tudo bobagem, gente. Acredita em mim. Fazer uma aula de culinária em Paris é uma experiência que vale ser vivida.

Não é necessário ter muita compreensão de francês, nem de inglês – as coreanas que estavam ao me lado foram minha prova cabal. Vai precisar de disposição para ficar em pé, força no braço (nada de batedeiras) e bom-humor (para aprender com seus erros). É só isso.

Quando decidi que ia “aceitar o desafio”, comecei a fazer uma pesquisa para ver quais seriam os cursos que teriam aulas avulsas e quais eram os mais interessantes. Descobri uma infinidade de deles espalhados pela cidade, oferecidos por diversas instituições. Então, restringi minha pesquisa à três escolas que me pareceram as mais tradicionais e de excelência: Ferrandi; Lenôtre e Cordon Bleu (se é para fazer, vamos fazer direito, certo?).

Deixo aqui algumas informações básicas para ajudar quem está pensando em se arriscar nesse mundo delicioso, mas está cheio de dúvidas – como estive há alguns meses atrás.

Ferrandi – é um curso completamente voltado para formação de profissionais. Uma das escolas mais conceituadas na França. Eles são focados em atender o público francês – foi o que me pareceu. Vou confessar que implico com a proposta dessa escola, contudo, se quiser uma formação profissional, é uma boa opção. Como o meu propósito era encontrar algo mais lúdico e de iniciação, descartei logo essa opção, mas encontrei uma opção de cursos customizados que talvez seja interessante para aqueles que estão viajando em grupo. Para saber mais, veja as informações no site deles (inglês).

Lenôtre – conhecida mundialmente por seus doces. A escola foi fundada pelo chef Gaston Lenôtre, um dos grandes inovadores na arte pâtisserie. A escola para formação de chefs fica há uma hora de Paris (um passeio interessante), em Parly II, mas existe um campo em Paris (chamado Pavillon Elysée).

Quando fiz minha pesquisa o site estava bem confuso (difícil visualização no laptop e no celular é impossível!). Agora, no entanto, eles repaginaram todo site e está bem mais fácil. Para acompanhar os cursos, basta entrar no ícone Les Écoles Lenotrê e depois em  Réservez un cours. Se quiser fazer um curso no centro de Paris (meu objetivo) preste atenção para a localização Le Pavillon Elysée Lenôtre. Eles têm mais duas escolas: uma em Paris Porte Vincennes (uns 30 minutos do centro) e na sede, Parly II. Você também pode se inscrever por telefone (atendimento em inglês e francês).

O curso tem uma variedade enorme de cursos para amadores, inclusive no que diz respeito ao tempo. Tem cursos de duas, quatro até sei horas, e as elas podem ser em inglês ou francês. As aulas são mais difíceis de acompanhar do que as do Le Cordon Bleu. Na realidade, eu senti que não estavam tão preparados para um público de estrangeiros, mas ganharam em outros quesitos. Por exemplo, achei que exploraram melhor o ambiente, deixando-o mais bonito e agradável.

Le Cordon Bleu – acho que esta é uma escola que dispensa apresentações, certo? Grandes nomes já passaram por ali, da Julia Child até a nossa querida chef, Flavia Quaresma. O Cordon Bleu é sinônimo de formação com excelência. Ali, você encontrará cursos para restauração, enologia, além da clássica formação dos Grands Chefs.

Essa escola me pareceu, entre as três, a mais preparada para receber alunos estrangeiros. O site é o mais claro. Eles disponibilizam o cronograma do ano inteiro (que felicidade!) e tem um setor separado só receber as dúvidas e para orientar seus alunos estrangeiros (Bravo!).

Além disso, fiquei fascinada com as propostas de cursos disponível nos Les Ateliers Découverte (ateliês de descobertas. Agora se chama Ateliers Culinaires). Eles oferecem passeios no mercados com os chefs; aulas de doces; cozinhando para amigos; uma aula só de molhos; outra em homenagem a Julia Child. Resumo: uma loucura! Todas aulas são proferidas por um chef da casa, em francês, junto com um estudante da escola que assume o papel de tradutor e dois assistentes iniciantes na escola para ajudar os alunos durante os cursos. Essa configuração é genial, pois nos permite perceber o quanto juntar prática à teoria fazem parte dos valores da escola.

Não existe pré-requisto algum e, mesmo que o seu nível de inglês ou francês seja péssimo, garanto que conseguirá acompanhar a aula. Digo isso porque, quando fiz a aula, tinham duas sul-coreanas que não falavam nada de inglês, muito menos de francês, e elas se saíram muito bem.

Para se inscrever, entre no site da escola, no ícone Ateliers & Cours Gourmets. Eles tem usam um chapéu como ícone para indicar o grau de dificuldade.

Preço

Esses cursos de livres, tanto na Lenôtre quanto no Le Cordon Bleu, não são baratinhos. Costumam variar entre 80 a 150 euros (2013), mas valem o que cobram, pois o que terá ali é uma experiência única, com toda a infra-estrutura e a excelência que estas escolas carregam com seus nomes.

3 comentários

  1. Mônica Hiromi disse:

    Nossa, adorei!
    Fiquei com água na boca!
    Dá mesmo vontade de fazer. Imagine, Le Cordon Bleu….. Uau!!!!

  2. sheila Carneiro disse:

    me foi muito útil, adorei as informações !

  3. sheila Carneiro disse:

    adorei as informações ,me foi muito útil !

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *