Por que a Eslovênia é o lugar para Voar de Balão

  • Chegada ao local de partida
  • Madrugando em busca de aventura
  • Quase pronto para partir...
  • e a luz mudava a cada segundo...
  • Até a lua veio dar um oi para a gente
  • Vista das casas a partir do balão
  • Uma sensação inexplicável ver tudo pequeno e acontecendo
  • Vista do castelo, do lago e da ilha e dos alpes ao fundo. É para a gente suspirar, certo?
  • A nosso sombra vista do alto
  • Tentando ser artística: detalhe do balão
  • Quando o balão vai pousando a gente vibra
  • Uma trabalheira para guardar o balão
  • Nosso batizado com direito a pompa e circunstância
  • Para encerrar ganhamos a tradicional torta da cidade (#yummy)

Desde criança eu tinha essa vontade louca de voar de balão. Tenho um amigo que me disse que isso se chama complexo de Phileas Fogg, e eu acho que ele tem razão. Veja o porque aqui embaixo:

Vocês sabem que eu moro no Rio, mas mesmo assim voar de asa delta nunca me pareceu remotamente tão interessante quanto de balão. Não é estranho? Depois de voar de balão entendi o por quê. É por causa da velocidade e da perspectiva. No balão tudo fica devagar, silencioso e você realmente vê a paisagem como se estivesse flutuando, não em queda. É maravilhoso!

Por que voar na Eslovênia?

Eu tinha já pensado em alguns lugares, como a Capadócia ou no Vale do Loire. O primeiro descartei depois de uma descrição da minha sogra que fez o vôo por lá. A ideia de voar com 20 pessoas e no meio de um monte de outros balões tem seu valor, mas não era o que estava buscando. Eu queria algo mais intimista. Queria a calma de um lugar que ainda não é um hotspot. Queria a experiência do balonismo mesmo.

Preparativos

O nome da empresa que escolhi foi a Balonarski Center Barje. Eles atendem na capital Ljubljana e em Bled. Nós escolhemos Bled por causa da calma, da vista verde, das montanhas nevadas, o Triglav, ao fundo. A Eslovênia não é o que chamaria de um destino de balonismo, logo os vôos são mais tranquilos e a probabilidade de sermos só nós quatro ou poucas pessoas era bem maior. De bônus, no dia ainda descobrimos que quem faz os vôos é o proprietário, o senhor Grega Trcek, que tem mais de 25 anos de experiência em balonismo. Assim, a gente fica bem mais tranquilo, não?

Entrei em contato por e-mail, em inglês claro – sem condições de ensaiar esloveno, mesmo com google translator. Ele deu todas as orientações, horário, valores, as etapas. Nós fizemos o pagamento por Paypal e pronto. Agora era só torcer para não chover no dia.

Foi então que percebi que tinha feito a burrice de agendar um programa diferente para cada que estaríamos em Bled. Não façam isso! O melhor é passar uns 3 ou 4 dias na cidade – não vai faltar atividade, ali ou nos arredores – e encaixar o passeio no dia em que o tempo permitir.

Ansiedade Pré Vôo

Nós chegamos em Bled, e estávamos já apaixonados pelo lugar, mas tínhamos um problema. O senhor Grega havia enviado um e-mail avisando que o tempo estava instável e que o passeio precisaria ser transferido. Estava confirmado: tinha feito m… Nós iríamos fazer rafting justamente no dia em que ele estava reagendando o vôo. Foi o primeiro cancelamento, mas, com a ajuda do concierge do hotel, conseguimos remarcar tudo por telefone.

Quando chegou o dia do vôo, madrugamos. Qual não foi a nossa surpresa ao abrir a janela? Vimos um tempo nublado, soturno. Muito medo de voar daquele jeito. A campainha da casa tocou à 6h em ponto. Todos calados e tensos. O senhor Grega, se apresentou. Alto e calmo. Nos falou que o tempo iria mudar em algumas horas e poderíamos sair para o vôo. Ele e sua equipe ficariam estacionados ali perto esperando a melhora do tempo. Caso contrário, nós reagendaríamos. O problema é que deveríamos sair de Bled para o próximo destino no dia seguinte. Era dá ou desce.

Fechamos a porta. A Moema falava: “estou com medo. Não quero voar assim. Porque você inventou isso?! O rafting foi bem melhor. Não vou, não!” E eu concordava com ela, em silêncio, claro. Aquele céu cinza no alto das montanhas. Aliás, que montanhas? A gente não via nada! E eu imaginava a gente na neve escolhendo que seria o primeiro a se sacrificar pelo grupo. Um horror!

Passou uma hora e o senhor Grega tocou novamente. Calmo e alto. Apareceu para dizer que o programa deveria ser reagendado. E agora? Ele nos deu certeza absoluta que o tempo melhoria ainda naquele dia e no próximo faríamos um ótimo vôo. E o destino seguinte?

Eu não queria abrir mão da minha fantasia de Phileas Fogg, muito menos dos 150 euros. Fizemos, por isso, uma ginástica na nossa programação. O senhor Grega havia garantido que às 12h já estaríamos saindo de Bled. Nós acreditamos. Não é que foi exatamente o que aconteceu?! Depois de algumas horas o tempo começava a abrir.

Como foi?

Madrugamos novamente. Ao abrir a janela, o Triglav dizia que era hora. Todos ansiosos, mas animados. Entramos na van e fomos em busca do melhor lugar para decolar.

Chegamos num campo verde lindo. Enquanto a equipe armava o balão, o senhor Grega nos mostrava os testes para saber se o tempo está bom ou não para o balão subir. Recebemos instruções sobre como agir dentro do cesto, tudo muito tranquilo e calmo. E lá fomos nós.

A Moema ainda estava bem quietinha e ainda um pouco nervosa. O meu irmão olhava tudo com mil olhos, o Alexandre tirava fotos sem parar e eu fiquei ali não cabendo naquele momento de tanta felicidade. Foi a calma do balonista que fez dissipar o restinho de ansiedade que ainda existia entre nós. Ele contou que já voava há 25 anos; explicou a paisagem, contou como eram os vôos nas diferentes estações e que, às vezes, eles conseguem sobrevoar os Alpes – imagina?

Para mim, a maior surpresa foi que, conforme íamos subindo, sentíamos só uma brisa de leve. Eu achei que seria uma ventania danada, mas o que tínhamos ali era muito calmo. Tudo parecia em câmera lenta. O senhor Grega explicou que era porque estávamos indo junto com o vento. Ele até mudou um pouco a direção para nos mostrar o efeito contrário. Nós vimos um resto de lua, as cores do amanhecer mudando, pessoas de bicicleta. Daquela altura, Bled parcialidade de lego. Uma cidade maravilhosa, cheia de campos verdes, o lago, a igreja. Só vendo! Tive certeza que foi a escolha perfeita para um primeiro passeio de balão.

Na descida, tivemos direito a uma cerimônia com simbolismos dos quatro elementos da terra (louco!); um brinde com champagne, seguimos para o Hotel Park para receber nossos diplomas e comer a torta tradicional de Bled na beira do lago. Achei a versão mais gostosa da nossa estadia, diga-se de passagem.

A vista da terra firme ainda era linda e iríamos sair a tempo para o próximo destino.

Informações Práticas

Empresa: Balonarski Center Barje
E-mail: info@bcb.si
Celular: +386 (0)41 66 45 45
Tel.: +386 (0)1 512 92 20
Preço: 150 euros (por pessoa em 2013)
Perfeito para: o primeiro vôo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *